Segurança do Trabalho

Carga horária no certificado: 50 horas

⭐⭐⭐⭐⭐ 187.205 alunos     🌐 Português       🎓 Certificados em PDF no e-mail

Segurança do Trabalho

Carga horária no certificado: 50 horas

⭐⭐⭐⭐⭐ 187.205 alunos

🌐 Português    🎓 Certificados em PDF no e-mail

Este curso inclui:

📖 Material didático ilustrado

🎓 Certificado do curso (PDF)

🎓 Certificados dos módulos (PDF)

💻 Acessos mobile e desktop

♾️ Acesso total vitalício

.

Onde usar os certificados:

💼 Processos Seletivos (Vagas de emprego)

🏆 Prova de Títulos (Empresa)

👩‍🏫 Atividades Extras (Faculdade)

📝 Pontuação (Concursos Públicos)

Quais certificados você recebe nesse curso?

  1. Segurança do Trabalho (50 horas)
  2. Normas Regulamentadoras e Segurança no Trabalho (10 horas)
  3. Responsabilidades do Empregador na Segurança do Trabalho (5 horas)
  4. Importância da Avaliação de Riscos Ocupacionais (5 horas)
  5. Normas Regulamentadoras Vigentes no Brasil (5 horas)
  6. Punições e Responsabilidades no Âmbito da Segurança do Trabalho (5 horas)
  7. Riscos Visíveis e Invisíveis no Local de Trabalho (5 horas)
  8. Melhores Práticas de Segurança no Trabalho (5 horas)
  9. Envolvimento dos Funcionários na Cultura de Segurança do Trabalho (5 horas)
  10. Mensurando o Impacto das Estratégias de Segurança do Trabalho (5 horas)
Carga horária no certificado: 50 horas

Nosso Curso Online de Segurança do Trabalho já começou!

A profissão de segurança do trabalho tem suas raízes na Revolução Industrial, que teve início no século XVIII na Grã-Bretanha e se espalhou para outras partes do mundo.

Durante esse período, houve uma rápida industrialização e urbanização, com o surgimento de fábricas e indústrias que empregavam um grande número de pessoas em condições muitas vezes precárias e perigosas.

À medida que as indústrias cresceram, também aumentaram os riscos para os trabalhadores. Acidentes de trabalho eram comuns e muitas vezes resultavam em ferimentos graves ou morte. Além disso, as condições de trabalho eram frequentemente insalubres, com exposição a produtos químicos tóxicos, poeira, ruído e outros perigos.

Com o tempo, a crescente conscientização sobre os perigos no local de trabalho levou à necessidade de medidas para proteger os trabalhadores. Isso incluiu a implementação de regulamentações de segurança, a melhoria das condições de trabalho e a criação de funções dedicadas à segurança no trabalho. A profissão de segurança do trabalho começou a se desenvolver como uma resposta a essas preocupações.

A primeira legislação significativa relacionada à segurança do trabalho foi a Lei de Fábricas de 1802, no Reino Unido, que visava melhorar as condições de trabalho nas fábricas. Ao longo do século XIX, outras leis e regulamentos foram sendo promulgados em diversos países para abordar questões de segurança e saúde ocupacional.

Com o tempo, a profissão de segurança do trabalho evoluiu, com a criação de associações profissionais, a padronização de práticas e a formação de profissionais especializados em prevenir acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

Hoje, os profissionais de segurança do trabalho desempenham um papel crucial em garantir ambientes de trabalho seguros e saudáveis para os trabalhadores, ajudando a prevenir acidentes, doenças ocupacionais e promovendo boas práticas de segurança nas empresas.

 

Mas, o que significa oferecer um lugar seguro de trabalho?

Oferecer um lugar seguro de trabalho, tanto aos olhos da lei brasileira quanto aos olhos da ética humana, implica em garantir que os trabalhadores tenham condições de trabalho que minimizem riscos à sua saúde, segurança e bem-estar. Aqui estão algumas considerações sobre o que isso significa em ambas as perspectivas:

 

Do ponto de vista da lei brasileira

No Brasil, a legislação trabalhista e previdenciária estabelece várias obrigações para os empregadores com relação à segurança e saúde no trabalho. As principais leis e regulamentos que regem esse aspecto incluem a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a Norma Regulamentadora (NR) 1 a NR-38, que são regulamentações específicas sobre segurança e saúde no trabalho em diferentes setores.

Aqui estão alguns dos principais requisitos legais relacionados a oferecer um lugar seguro de trabalho:

  1. Elaboração de Programas de Prevenção: Os empregadores são obrigados a desenvolver programas de prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, de acordo com as NRs aplicáveis ao seu setor.

  2. Fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs): Quando necessário, os empregadores devem fornecer EPIs adequados aos trabalhadores e garantir seu uso.

  3. Treinamento e Educação: Os empregadores devem oferecer treinamento e educação em segurança no trabalho para os funcionários, incluindo informações sobre riscos, procedimentos de segurança e primeiros socorros.

  4. Identificação e Controle de Riscos: É importante identificar e controlar os riscos no local de trabalho, implementando medidas de segurança e prevenção adequadas.

  5. Registro e Comunicação de Acidentes: Os acidentes de trabalho devem ser registrados e comunicados às autoridades competentes.

 

Do ponto de vista da ética humana

Segurança do Trabalho - administra brasil cursos online grátis

Além das obrigações legais, a ética humana também desempenha um papel fundamental em fornecer um lugar seguro de trabalho. Isso envolve considerar os seguintes princípios éticos:

  1. Respeito pela Dignidade Humana: Todos os trabalhadores devem ser tratados com respeito e dignidade, o que inclui a proteção de sua saúde e segurança. É o que quero para mim, e é o que eu quero para o outro.

  2. Justiça: A distribuição de riscos e benefícios no local de trabalho deve ser justa, e nenhum ser humano deve ser exposto a riscos desnecessários ou injustos.

  3. Responsabilidade Social: As empresas têm uma responsabilidade social de fornecer um ambiente de trabalho seguro e saudável, não apenas para cumprir a lei, mas também como parte de sua contribuição para o bem-estar da sociedade. Pessoas fazem parte da empresa, e a empresa faz parte das pessoas, até porque, estatisticamente e culturalmente, passamos mais tempo com colegas de trabalho do que com nossa família.

  4. Transparência e Comunicação: Os empregadores devem ser transparentes sobre os riscos e medidas de segurança no local de trabalho e devem incentivar a comunicação aberta sobre questões de segurança. Uma cultura de segurança é feita por pessoas, de pessoas e para pessoas.

Em resumo, oferecer um lugar seguro de trabalho, tanto na perspectiva legal brasileira quanto na ética humana, implica em criar um ambiente onde os trabalhadores possam desempenhar suas funções com o mínimo de riscos para sua saúde e segurança, respeitando sua dignidade e bem-estar. Além das obrigações legais, a ética desempenha um papel fundamental em garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça e consideração.

 

Qual a importância das Normas Regulamentadoras? 

Com o crescimento da economia brasileira na década de 1970, o número de acidentes e fatalidades no trabalho também aumentou exponencialmente devido à falta de segurança para os trabalhadores.

Claramente, as normas regulatórias não foram bem recebidas quando implementadas ou reestruturadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (atual Ministério do Trabalho e Previdência), pois aumentavam os custos para as empresas. Mas, calma! Há mais motivos.

As normas regulamentadoras também não eram bem definidas inicialmente e a falta de conhecimento ou qualificação eram obstáculos presentes e precisavam ser vencidos. Hoje em dia, são bem mais elaboradas e detalhadas, e há várias formações (como essa) que conseguem clarear com objetividade a função, atribuições e importância da profissão de segurança de trabalho.

 

Quais são as Normas Regulamentadoras Vigentes? [Resumidamente]

Vou fornecer um resumo de cada uma das Normas Regulamentadoras (NRs) do Ministério do Trabalho e Emprego do Brasil:

  1. NR-1 – Disposições Gerais e Gerenciamento de Riscos Ocupacionais: Estabelece os princípios gerais para a segurança e saúde no trabalho, incluindo a responsabilidade dos empregadores e dos trabalhadores, além de diretrizes para o gerenciamento de riscos ocupacionais nas empresas.

  2. NR-2 – Inspeção Prévia (Revogada): Esta norma foi revogada e não está mais em vigor. Anteriormente, tratava das inspeções prévias de segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos novos.

  3. NR-3 – Embargo e Interdição: Define os procedimentos para o embargo e a interdição de locais de trabalho que apresentem riscos iminentes à saúde e segurança dos trabalhadores, com o objetivo de evitar acidentes.

  4. NR-4 – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho: Regulamenta a obrigatoriedade de serviços especializados em engenharia de segurança e em medicina do trabalho nas empresas, visando à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais.

  5. NR-5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA): Estabelece a organização e funcionamento da CIPA, uma comissão formada por representantes dos empregadores e dos empregados, que tem como objetivo promover a segurança no trabalho e prevenir acidentes.

  6. NR-6 – Equipamento de Proteção Individual (EPI): Define os requisitos para fornecimento, uso, conservação e responsabilidades relacionadas aos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) utilizados pelos trabalhadores, garantindo sua segurança.

  7. NR-7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO): Estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação do PCMSO, que visa monitorar a saúde dos trabalhadores, prevenir doenças ocupacionais e garantir avaliações médicas periódicas.

  8. NR-8 – Edificações: Regulamenta as condições de segurança nas edificações industriais, estabelecendo requisitos para sua construção, manutenção e adaptação às normas de segurança.

  9. NR-9 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos: Trata da avaliação e controle da exposição dos trabalhadores a agentes físicos, químicos e biológicos no ambiente de trabalho, visando prevenir riscos à saúde.

  10. NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade: Estabelece requisitos de segurança para trabalhos envolvendo eletricidade, com foco na prevenção de acidentes elétricos e choques elétricos.

  11. NR-11 – Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais: Regulamenta atividades que envolvem o transporte, a movimentação, o armazenamento e o manuseio de materiais, estabelecendo medidas de segurança para prevenir acidentes e lesões.

  12. NR-12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos: Define requisitos de segurança para máquinas e equipamentos utilizados no ambiente de trabalho, incluindo proteções, sinalização e procedimentos seguros de operação.

  13. NR-13 – Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações e Tanques Metálicos de Armazenamento: Regulamenta a segurança na operação de caldeiras, vasos de pressão, tubulações e tanques metálicos, com ênfase na prevenção de explosões e vazamentos.

  14. NR-14 – Fornos: Estabelece medidas de segurança para trabalhos em fornos industriais, incluindo proteção contra calor, gases e poeira.

  15. NR-15 – Atividades e Operações Insalubres: Define quais atividades e operações são consideradas insalubres devido à exposição a agentes nocivos à saúde, estabelecendo limites de tolerância e medidas de controle.

  16. NR-16 – Atividades e Operações Perigosas: Regulamenta atividades e operações consideradas perigosas, estabelecendo medidas de prevenção de acidentes.

  17. NR-17 – Ergonomia: Estabelece diretrizes para a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, visando à prevenção de lesões por esforços repetitivos e distúrbios osteomusculares.

  18. NR-18 – Segurança e Saúde no Trabalho na Indústria da Construção: Regulamenta as condições de segurança no trabalho na construção civil, incluindo canteiros de obras, equipamentos e atividades específicas do setor.

  19. NR-19 – Explosivos: Estabelece medidas de segurança para o manuseio, armazenamento e transporte de explosivos, visando a prevenção de acidentes.

  20. NR-20 – Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis: Regulamenta as atividades que envolvem substâncias inflamáveis e combustíveis, com foco na prevenção de incêndios e explosões.

  21. NR-21 – Trabalhos a Céu Aberto: Regulamenta as condições de trabalho em atividades realizadas a céu aberto, considerando fatores climáticos e riscos específicos desses ambientes.

  22. NR-22 – Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração: Estabelece requisitos de segurança e saúde para as atividades de mineração, incluindo minas subterrâneas e a céu aberto.

  23. NR-23 – Proteção Contra Incêndios: Define as medidas de prevenção e combate a incêndios nos locais de trabalho, incluindo a necessidade de equipamentos de combate ao fogo e treinamento.

  24. NR-24 – Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho: Regulamenta as condições mínimas de higiene e conforto nos locais de trabalho, incluindo instalações sanitárias e áreas de descanso.

  25. NR-25 – Resíduos Industriais: Estabelece diretrizes para o manuseio e descarte adequado de resíduos industriais, garantindo a segurança dos trabalhadores.

  26. NR-26 – Sinalização de Segurança: Define os critérios para sinalização de segurança nos locais de trabalho, incluindo placas, cores e símbolos.

  27. NR-27 – Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho (Revogada): Esta norma foi revogada e não está mais em vigor.

  28. NR-28 – Fiscalização e Penalidades: Estabelece as diretrizes para a fiscalização das NRs e as penalidades aplicáveis em caso de descumprimento das normas de segurança e saúde no trabalho.

  29. NR-29 – Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário: Regulamenta as atividades realizadas no setor portuário, com foco na segurança e saúde dos trabalhadores que atuam nesse ambiente.

  30. NR-30 – Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário: Estabelece requisitos de segurança e saúde para atividades aquaviárias, como navegação, pesca e transporte fluvial.

  31. NR-31 – Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura: Regulamenta as condições de segurança no trabalho em atividades rurais, incluindo o manejo de animais, cultivo e exploração florestal.

  32. NR-32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde: Estabelece medidas de segurança para trabalhadores da área da saúde, incluindo hospitais, clínicas e laboratórios, com foco na prevenção de riscos biológicos e químicos.

  33. NR-33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados: Regulamenta os procedimentos de segurança para trabalhos em espaços confinados, como tanques, silos e tubulações, para evitar acidentes e asfixia.

  34. NR-34 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, Reparação e Desmonte Naval: Regulamenta as condições de trabalho em estaleiros e atividades de construção e reparação naval.

  35. NR-35 – Trabalho em Altura: Estabelece requisitos de segurança para trabalhos em altura, como escalada, andaimes e plataformas, para prevenir quedas e acidentes.

  36. NR-36 – Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados: Regulamenta as condições de segurança e saúde no trabalho na indústria de abate e processamento de carnes, considerando riscos específicos do setor.

  37. NR-37 – Segurança e Saúde em Plataformas de Petróleo: Estabelece requisitos de segurança para trabalhadores em plataformas de petróleo, incluindo medidas de prevenção de acidentes e procedimentos de emergência.

  38. NR-38 – Segurança e Saúde no Trabalho nas Atividades de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos: Regulamenta as condições de trabalho para os profissionais de limpeza urbana, incluindo coleta de resíduos sólidos e reciclagem.

 Essa é uma visão geral das NRs vigentes em 2023.

 

A empresa não segue as regras e leis de segurança do trabalho! O funcionário também não segue as regras e leis de segurança do trabalho! E agora?! 

Consequências ao empregador no âmbito da responsabilidade administrativa, trabalhista e previdenciária

  1. Ações reclamatórias e ações civis públicas: O empregador pode ser alvo de ações judiciais movidas por trabalhadores ou pelo Ministério Público do Trabalho, buscando reparação de danos ou cumprimento de normas de segurança.

  2. Termo de Ajustamento de Conduta (TAC): O empregador pode ser obrigado a firmar um acordo com o Ministério Público para corrigir irregularidades e cumprir normas de segurança.

  3. Pagamento de multas e despesas com tratamentos médicos: O empregador pode ser obrigado a pagar multas por descumprimento das normas de segurança, além de arcar com os custos dos tratamentos médicos dos trabalhadores acidentados.

  4. Embargo da obra ou interdição do estabelecimento, máquinas ou equipamentos: As autoridades podem interditar locais de trabalho ou máquinas/equipamentos que representem risco à segurança dos trabalhadores, o que pode causar prejuízos financeiros significativos ao empregador.

  5. Imposição no pagamento de adicional de insalubridade e periculosidade: Se for constatado que os trabalhadores estão expostos a condições insalubres ou perigosas, o empregador pode ser obrigado a pagar adicional de insalubridade ou periculosidade.

  6. Estabilidade provisória para empregados acidentados: Empregados acidentados têm direito à estabilidade no emprego por um período após o retorno ao trabalho, o que impede que sejam demitidos sem justa causa.

  7. Responder por Ação Regressiva Acidentária: Em caso de acidentes de trabalho, o INSS pode acionar o empregador para que este ressarça os custos previdenciários relacionados ao acidente.

 

No que se refere à responsabilidade civil e tributária (empregador)

  1. Indenização prevista no artigo 949 (Código Civil): O empregador pode ser processado e obrigado a pagar indenizações a trabalhadores ou suas famílias em casos de acidentes de trabalho.

  2. Aumento da alíquota do SAT (Seguro Acidente do Trabalho) e do FAP (Fator Acidentário de Prevenção): O empregador pode sofrer aumento na alíquota do seguro que cobre acidentes de trabalho e no FAP, que impacta os custos previdenciários.

 

Na esfera criminal (empregador)

  1. Crime de Perigo (artigo 132 do Código Penal): Se o descumprimento das normas de segurança do trabalho colocar em risco a vida ou saúde do trabalhador, o empregador pode ser acusado de cometer um crime.

  2. Descumprimento às normas de segurança sem resultado lesivo ou risco ao trabalhador (artigo 19, §2º, da Lei nº 8.213/91): O empregador pode ser responsabilizado criminalmente mesmo que o descumprimento das normas não tenha causado danos diretos ao trabalhador.

  3. Homicídio (artigo 121 do Código Penal): Se um trabalhador vier a falecer em decorrência do descumprimento das normas de segurança, o empregador pode ser acusado de homicídio.

  4. Lesão Corporal (artigo 129, §6º, do Código Penal): Se um trabalhador sofrer danos físicos ou lesões devido ao descumprimento das normas de segurança, o empregador pode ser acusado de lesão corporal.

 

Consequências ao empregado que não cumprir a Norma Regulamentadora

  1. Recusa injustificada às instruções do empregador e ao uso de EPI: O empregado pode ser punido se se recusar injustificadamente a seguir as instruções de segurança do empregador ou a utilizar os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) fornecidos pela empresa. Isso pode resultar em advertências e, em casos de reincidência, em punições mais severas, incluindo demissão por justa causa.

Em resumo, tanto empregadores quanto empregados têm responsabilidades e consequências a considerar quando se trata do cumprimento das Normas Regulamentadoras relacionadas à segurança e saúde no trabalho. O respeito a essas normas é fundamental para proteger a integridade e a vida dos trabalhadores.

 

Risco visível ou invisível? O que é e quais são?

Os riscos de um ambiente de trabalho podem ser classificados como visíveis ou invisíveis.

Um risco visível é, por exemplo, a má ergonomia. Um risco invisível, por outro lado, pode ser um distúrbio que ocorre repentinamente, como um defeito em um dispositivo.

Perceba como a avaliação de risco, então, deveria ser um estatutário do empregador. O empregador pode (e deve) ser auxiliado pelos supervisores e profissionais da linha de frente. A avaliação precisa ser sistemática.

Vou fornecer exemplos de riscos visíveis e invisíveis no ambiente de trabalho, bem como explicar como um profissional de segurança do trabalho pode agir para corrigir ou evitar esses riscos na prática:

 

Riscos Visíveis:

  1. Má Ergonomia: Um risco visível comum é a falta de ergonomia em estações de trabalho, onde os trabalhadores podem estar em posições desconfortáveis por longos períodos. Um profissional de segurança do trabalho pode realizar avaliações ergonômicas, sugerir ajustes no mobiliário e fornecer treinamento aos trabalhadores sobre postura correta.

  2. Falta de Sinalização de Segurança: A ausência de sinalização adequada em áreas de perigo, como pisos escorregadios ou zonas de tráfego de veículos, é um risco visível. O profissional de segurança pode implementar sinalizações visuais e alertar os trabalhadores sobre os perigos.

  3. Má Manutenção de Equipamentos: Equipamentos desgastados ou mal mantidos, como máquinas industriais, podem representar riscos visíveis. O profissional pode estabelecer programas de manutenção preventiva e treinar a equipe para inspecionar regularmente os equipamentos.

 

Riscos Invisíveis:

  1. Exposição a Agentes Químicos Nocivos: Substâncias químicas tóxicas ou gases inodoros podem representar riscos invisíveis. O profissional de segurança pode realizar análises ambientais para identificar a presença desses agentes e implementar medidas de controle, como a ventilação adequada ou o uso de Equipamentos de Proteção Respiratória (EPR).

  2. Estresse no Trabalho: O estresse pode ser um risco invisível que afeta a saúde mental dos trabalhadores. O profissional pode conduzir avaliações de estresse, oferecer programas de apoio emocional e promover um ambiente de trabalho saudável.

  3. Riscos Biológicos: Micro-organismos patogênicos, como vírus e bactérias, são riscos invisíveis que podem estar presentes em ambientes de saúde. O profissional pode implementar protocolos de controle de infecções, fornecer Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados e instruir sobre práticas seguras.

 

Passo a Passo para Corrigir ou Evitar Esses Riscos, no Geral:

  1. Identificação e Avaliação: O primeiro passo é identificar os riscos, seja por meio de inspeções regulares, análises de dados e avaliações ergonômicas. Por exemplo, um profissional de segurança do trabalho pode realizar inspeções regulares no local de trabalho para identificar riscos visíveis, como má ergonomia. Além disso, ele pode analisar dados de incidentes passados e conduzir avaliações ergonômicas detalhadas para determinar os riscos associados a postos de trabalho específicos, como vigias, porteiros, auxiliares de escritório, time de atendimento, técnicos de solda, etc.

  2. Medidas Preventivas: Com base na identificação dos riscos, o profissional de segurança do trabalho pode implementar medidas preventivas específicas. Por exemplo, se identificar problemas de ergonomia, pode coordenar a compra de mobiliário ajustável e instruir os trabalhadores sobre como configurá-lo corretamente. Além disso, pode solicitar a instalação de sinalizações de segurança em áreas de risco, como pisos escorregadios, e implementar políticas de manutenção preventiva para garantir que os equipamentos estejam sempre em boas condições.

  3. Treinamento: Os trabalhadores devem receber treinamento adequado para reconhecer e lidar com riscos visíveis e invisíveis, entre outros pontos importantes para a realidade da empresa. Por exemplo, pode realizar sessões de treinamento sobre o uso adequado de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e sobre como identificar sinais de estresse no trabalho, promovendo assim a segurança e a saúde mental dos trabalhadores.

  4. Monitoramento e Manutenção: É fundamental acompanhar regularmente a eficácia das medidas implementadas. Isso pode incluir a realização de inspeções periódicas para verificar se as condições de segurança estão sendo mantidas e se os equipamentos de segurança estão em boas condições. Se necessário, ele pode coordenar a manutenção corretiva para garantir que tudo funcione adequadamente.

  5. Comunicação: Estabelecer canais de comunicação abertos e eficazes entre os trabalhadores e o profissional de segurança do trabalho é essencial para identificar e abordar riscos emergentes. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de reuniões regulares, onde os trabalhadores podem relatar preocupações e sugestões. Além disso, o profissional deve estar disponível para responder a perguntas e esclarecer dúvidas relacionadas à segurança no trabalho.

  6. Documentação: Manter registros detalhados das ações tomadas e dos resultados das avaliações de riscos é fundamental para garantir a conformidade e aprimorar continuamente a segurança no local de trabalho. O profissional deve documentar todas as inspeções, avaliações de riscos, medidas preventivas implementadas, treinamentos ministrados e incidentes relatados. Esses registros servem como uma referência importante para análise futura e demonstram o comprometimento da empresa com a segurança e a saúde dos trabalhadores.

 

Como é composto o time de segurança do trabalho nas empresas?

A composição do time de segurança do trabalho em uma empresa pode variar dependendo do tamanho da organização e da complexidade das operações. No entanto, geralmente inclui os seguintes profissionais:

  1. Técnico em Segurança do Trabalho: Este profissional desempenha um papel central na equipe de segurança do trabalho. Ele é responsável por realizar inspeções, identificar riscos, implementar medidas preventivas, oferecer treinamento aos trabalhadores e manter registros de segurança.

  2. Engenheiro de Segurança do Trabalho: Em empresas maiores ou com operações mais complexas, um engenheiro de segurança do trabalho pode ser parte da equipe. Esse profissional tem formação em engenharia e se concentra em aspectos mais técnicos da segurança ocupacional, como projetar sistemas de segurança, investigar acidentes graves e coordenar programas de prevenção.

  3. Enfermeiro do Trabalho: Empresas maiores podem contar com um enfermeiro do trabalho. Esse profissional é responsável por cuidar da saúde ocupacional dos trabalhadores, realizar exames médicos admissionais, periódicos e demissionais, além de fornecer primeiros socorros em caso de acidentes.

  4. Médico do Trabalho: Em algumas organizações, especialmente aquelas com um grande número de funcionários, pode haver um médico do trabalho. Esse médico se concentra na saúde ocupacional dos trabalhadores, diagnosticando e tratando problemas de saúde relacionados ao trabalho.

  5. Auxiliar de Enfermagem ou Técnico de Enfermagem do Trabalho: Esses profissionais auxiliam o enfermeiro ou o médico do trabalho na execução de exames médicos ocupacionais, na administração de primeiros socorros e no acompanhamento da saúde dos trabalhadores.

  6. Especialistas em Segurança e Saúde: Dependendo das necessidades específicas da empresa, podem ser contratados especialistas ou consultores em segurança e saúde em áreas específicas, como ergonomia, higiene ocupacional, prevenção de incêndios, entre outros.

  7. Representante dos Trabalhadores: É importante envolver os trabalhadores na equipe de segurança do trabalho. Um representante dos trabalhadores pode ser eleito para participar das discussões sobre segurança, relatar preocupações e fornecer feedback dos funcionários.

  8. Gestão e Supervisores: A alta gerência e os supervisores desempenham um papel crucial no apoio e na implementação das práticas de segurança. Eles devem estar envolvidos no processo de segurança e fornecer liderança para garantir que as políticas de segurança sejam cumpridas.

  9. Comitê de Segurança do Trabalho: Em empresas maiores, pode ser criado um comitê de segurança do trabalho que inclui representantes de diferentes departamentos. Esse comitê colabora na identificação e resolução de problemas de segurança e promove uma cultura de segurança na organização.

É importante que todos os membros da equipe de segurança do trabalho trabalhem em conjunto para criar um ambiente seguro e saudável no local de trabalho. Eles devem colaborar na identificação de riscos, na implementação de medidas preventivas, no treinamento dos trabalhadores e na manutenção de registros de segurança.

 

Quais as Melhores Práticas Gerais de Segurança do Trabalho? 

Organizações com funcionários que correm alto risco de se machucar geralmente têm estratégias de segurança no local de trabalho estruturadas e bem projetadas. 

Como estão cientes das consequências de negligenciar a segurança no local de trabalho, eles entendem que ter um bom plano pode melhorar significativamente a saúde, a segurança e o bem-estar dos funcionários.

Separamos à dedo as melhores práticas para garantir condições de trabalho seguras.

 

1. Identifique todos os riscos de segurança no local de trabalho

Antes mesmo de começar a construir seu plano de segurança no local de trabalho, é importante definir e entender todas as fontes potenciais de perigo no local de trabalho

Identificar esses riscos e problemas de segurança é o primeiro passo para proteger os funcionários no local de trabalho. Alguns dos riscos mais comuns geralmente incluem ergonomia, produtos químicos perigosos, problemas mecânicos, poluição sonora, visibilidade restrita, perigos de queda e riscos relacionados ao clima. 

Vamos explorar alguns exemplos específicos em diferentes tipos de empresas:

  1. Metalúrgica: Em uma metalúrgica, os trabalhadores frequentemente lidam com máquinas pesadas e equipamentos de soldagem. Riscos comuns incluem a falta de proteção adequada contra faíscas de soldagem, que podem causar queimaduras, ou a exposição a vapores tóxicos durante o processo de metalurgia. Além disso, a má postura ao levantar materiais pesados pode levar a lesões nas costas.

  2. Escritório: Em ambientes de escritório, a ergonomia inadequada é um risco comum. Funcionários que passam longas horas sentados em frente ao computador podem desenvolver problemas de postura e lesões por esforço repetitivo, como a síndrome do túnel do carpo, devido ao uso incorreto do teclado e do mouse.

  3. Construção civil: Na construção civil, os trabalhadores enfrentam riscos diários, incluindo quedas de alturas, acidentes com equipamentos pesados, como guindastes, e exposição a poeira tóxica durante a demolição de estruturas antigas.

  4. Restaurante: Em restaurantes, especialmente em cozinhas movimentadas, os riscos incluem queimaduras de óleo quente, cortes de facas afiadas e escorregões em superfícies molhadas. Além disso, a exposição a substâncias químicas de limpeza pode ser um risco à saúde.

  5. Laboratório de pesquisa: Em laboratórios de pesquisa, a manipulação de produtos químicos perigosos é comum. Os riscos envolvem a exposição a substâncias tóxicas ou corrosivas, bem como a falta de precauções adequadas para evitar acidentes químicos.

  6. Fábrica de produtos químicos: Nesse ambiente, os trabalhadores estão expostos a uma variedade de produtos químicos perigosos, como ácidos e solventes. Riscos incluem vazamentos, inalação de vapores tóxicos e contato com substâncias que podem causar queimaduras ou irritações.

 

2. Defina políticas de segurança e lembre os funcionários de segui-las

Após identificar todos os possíveis riscos no local de trabalho, o próximo passo é definir as políticas e procedimentos de segurança.

Muitas organizações têm manuais de segurança que os funcionários podem usar como referência sempre que tiverem dúvidas. No entanto, não basta criar esses materiais se seus funcionários não os consumirem e os seguirem. É trabalho dos empregadores lembrar continuamente aos funcionários a importância de seguir as diretrizes de segurança. 

Sabemos que, no dia a dia, o “papo” de segurança do trabalho pode causar tédio nos colaboradores da empresa. Mas precisamos nos modernizar e chamar atenção desses colaboradores, e não “abandoná-los” no sentido de que “se eles não se importam, então também não vou me importar”. Isso é inadmissível!  

Aqui estão nossas melhores dicas práticas de como um profissional de segurança do trabalho pode lembrar continuamente os funcionários da importância das diretrizes de segurança de uma forma lúdica e criativa:

  1. Jogos de Segurança: Crie jogos ou quizzes de segurança que os funcionários possam participar durante o horário de almoço ou intervalos. Ofereça prêmios para aqueles que obtiverem as melhores pontuações, incentivando o aprendizado e a competição saudável.

  2. Mascote de Segurança: Introduza um mascote de segurança amigável na empresa, como um super-herói da segurança. Esse mascote pode aparecer em pôsteres, vídeos e até mesmo eventos especiais para entreter e educar os funcionários sobre práticas seguras.

  3. Histórias de Sucesso: Crie uma série de histórias de sucesso relacionadas à segurança, destacando funcionários que seguiram as diretrizes de segurança de maneira exemplar e evitaram acidentes. Compartilhe essas histórias em boletins informativos ou em um mural de reconhecimento.

 

3. Manter os colaboradores alinhados para fomentar a cultura de segurança

Suponha que você esteja tentando construir um local de trabalho centrado no funcionário, garantir uma experiência positiva do funcionário e promover uma cultura de segurança. Perceba que todos os seus funcionários, incluindo líderes e gerentes, precisam estar alinhados, se não a cultura não irá sobreviver.

Aqui, os empregadores muitas vezes negligenciam a importância de comunicações abertas, bem como regras de segurança no local de trabalho, e isso reflete nos colaboradores. O profissional de segurança do trabalho deve educar também a área estratégica da empresa para que a cultura de segurança seja criada e mantida.

Algumas ótimas dicas aqui:

  1. Mural Interativo de Segurança: Instale um mural de segurança interativo na empresa, no qual os funcionários possam adicionar suas próprias dicas de segurança, histórias ou feedback. Isso promove a participação ativa e o compartilhamento de conhecimento.

  2. Dia Temático de Segurança: Organize um “Dia Temático de Segurança” a cada trimestre. Por exemplo, um dia pode ser dedicado à conscientização sobre EPIs, com atividades como desfiles de moda de EPIs. Outro dia pode focar em primeiros socorros, com demonstrações e treinamentos práticos.

  3. Simulações Interativas: Organize simulações interativas de situações de segurança. Isso pode envolver a criação de cenários realistas em que os funcionários tenham que tomar decisões de segurança. Use tecnologia de realidade virtual, se possível, para uma experiência mais imersiva.

  4. Desafios de Segurança Mensais: Estabeleça um desafio de segurança diferente a cada mês. Por exemplo, um mês pode ser sobre prevenção de incêndios, enquanto o próximo pode se concentrar na ergonomia. Os funcionários que participarem e concluírem os desafios com êxito podem ganhar distintivos de segurança (e quem sabe até bonificações, se a empresa for legal).

 

4. Construa um plano de comunicação de segurança

Muitas organizações estão agora implementando comunicações de segurança como um valor central da empresa. Esse foco em um local de trabalho centrado na segurança melhora não apenas o moral dos funcionários, mas também o resultado final.

O plano de comunicação de segurança deve consistir em um conjunto de materiais, atualizações importantes da empresa, mensagens e outras campanhas internas que precisam ser comunicadas aos funcionários certos no momento certo.

Além da pontualidade, a criação de conteúdo envolvente e relevante é crucial aqui.

E, como criar isso? Ao criar seu plano de comunicação de segurança, sempre se faça estas perguntas:

  1. Quais são as principais mensagens que queremos comunicar?

  2. Quais são as atualizações de segurança importantes a serem compartilhadas com os funcionários?

  3. Como e onde a documentação importante deve ser armazenada e compartilhada com os funcionários?

  4. Quais funcionários devem ser alcançados?

  5. Como vamos segmentar o público interno para garantir que o funcionário certo receba a mensagem certa no momento certo?

  6. Que tipo de conteúdo devemos distribuir para garantir um alto engajamento?

  7. Quais canais de comunicação devemos usar para distribuir as mensagens?

  8. Podemos alcançar os funcionários em seus telefones celulares em questão de segundos?

  9. Como reconheceremos aqueles que seguem as diretrizes para garantir melhor conformidade entre os demais funcionários?

  10. Como medimos o impacto de nossas campanhas de comunicação?

 

5. Designar um representante de saúde e segurança

Gerenciamento-de-Projetos-em-Saude-Administra-brasil-cursos-online-gratis

Como alguns funcionários relutam em compartilhar seus problemas de segurança com seus gerentes diretos, algumas organizações nomeiam representantes de saúde e segurança designados.

Ao fazer isso, os funcionários podem discutir suas preocupações com confiança e discrição com os representantes que atuam como intermediários de confiança entre gerentes e funcionários. No entanto, os empregadores são responsáveis ​​por permitir que esses representantes estejam sempre conectados com os funcionários e garantir que eles possam entrar em contato com eles em tempo hábil.

Designar um representante de saúde e segurança é uma prática importante para promover um ambiente de trabalho seguro.

E como a empresa pode fazer isso? Eis um passo a passo:

  1. Identificar a Necessidade: Antes de designar um representante de saúde e segurança, a empresa deve avaliar a necessidade de tal posição. Isso pode ser feito por meio de pesquisas de satisfação dos funcionários, análise de incidentes anteriores ou pelo feedback recebido sobre preocupações de segurança.

  2. Estabelecer os Critérios de Seleção: Defina critérios claros para a seleção do representante de saúde e segurança. Eles devem ser alguém que tenha interesse genuíno na segurança, compreenda os riscos relacionados ao trabalho e seja capaz de comunicar eficazmente com os colegas.

  3. Treinamento e Capacitação: Uma vez selecionado, o representante de saúde e segurança deve passar por treinamento adequado em questões de segurança no local de trabalho. Isso inclui conhecimento sobre regulamentações de segurança, identificação de riscos e procedimentos de segurança.

  4. Comunicação e Acesso: O representante deve ser acessível a todos os funcionários e estar disposto a ouvir suas preocupações relacionadas à segurança. Eles também devem ser capazes de comunicar eficazmente essas preocupações à alta administração.

  5. Colaboração com a Gerência: Embora o representante de saúde e segurança seja uma voz independente para os funcionários, é essencial que eles colaborem com a gerência para abordar questões de segurança. Isso inclui a participação em reuniões de segurança e a contribuição para a elaboração de políticas e procedimentos de segurança.

  6. Promoção da Cultura de Segurança: O representante deve desempenhar um papel ativo na promoção de uma cultura de segurança positiva. Isso pode envolver a organização de eventos de conscientização, campanhas de segurança e a celebração de sucessos relacionados à segurança.

  7. Acesso a Recursos: Certifique-se de que o representante de saúde e segurança tenha acesso aos recursos necessários para cumprir suas funções. Isso pode incluir informações atualizadas sobre segurança, equipamentos de proteção individual (EPIs) e apoio da gerência quando necessário.

  8. Avaliação Contínua: Realize avaliações regulares do desempenho do representante de saúde e segurança para garantir que eles estejam cumprindo suas responsabilidades de forma eficaz. Isso pode ser feito por meio de avaliações de desempenho, pesquisas de satisfação dos funcionários e revisões periódicas de políticas de segurança.

 

6. Construa confiança e seja consistente

A promoção de um ambiente de trabalho centrado na segurança passa pela construção de confiança no local de trabalho.

No português claro, os trabalhadores devem confiar que a prioridade número um de seus líderes é manter seus funcionários seguros, e não apenas ser um “cumprimento da lei” para evitar multas e processos.

E como a empresa pode “comprovar” seu interesse genuíno na segurança de seus colaboradores?

Aqui estão algumas ações práticas que uma empresa pode adotar e que o profissional de segurança de trabalho pode auxiliar:

  1. Comunicação Transparente: Estabeleça canais de comunicação abertos e transparentes entre a gerência e os funcionários. Isso inclui fornecer informações claras sobre políticas de segurança, procedimentos e incidentes relacionados à segurança.

  2. Reconhecimento e Recompensas: Estabeleça programas de reconhecimento e recompensas para destacar e recompensar os comportamentos seguros. Isso pode incluir prêmios, elogios públicos ou incentivos financeiros.

  3. Investigação de Incidentes: Realize investigações completas e imparciais de incidentes de segurança. Use essas investigações como oportunidades de aprendizado para melhorar os processos e prevenir futuros incidentes.

  4. Criação de Comitês de Segurança: Estabeleça comitês de segurança compostos por funcionários de diferentes departamentos. Esses comitês podem revisar políticas, analisar incidentes e desenvolver planos de ação.

  5. Fornecimento de Recursos Adequados: Certifique-se de que os funcionários tenham acesso aos recursos necessários para manter um ambiente de trabalho seguro. Isso inclui equipamentos de proteção individual (EPIs), ferramentas adequadas e treinamento atualizado.

  6. Avaliação de Desempenho: Inclua metas e indicadores de segurança no processo de avaliação de desempenho dos funcionários. Isso ajuda a destacar a importância da segurança em todas as atividades.

  7. Transparência em Relatórios de Segurança: Compartilhe regularmente relatórios de segurança com os funcionários, destacando os progressos e as áreas que precisam de melhoria.

 

7. Permita acesso fácil a documentos e informações importantes

Gestão de e-commerces curso online grátis com certificado

Os funcionários que trabalham em situações de riscos normalmente passam a maior parte do tempo fora dos escritórios da empresa e muitas vezes não têm espaços de trabalho designados, seja uma mesa no escritório ou um computador na bolsa. Esses funcionários, de difícil acesso, precisam ter acesso instantâneo a todos os materiais e documentação de segurança importantes. Por outro lado, os empregadores precisam criar uma maneira de disponibilizar os materiais e documentos para esses profissionais.

Qual a melhor sugestão aqui para este impasse? A empresa pode desenvolver um aplicativo de segurança personalizado para a empresa, no qual os funcionários possam acessar dicas diárias de segurança, responder a questionários e acessar materiais e documentos importantes de segurança.

Assim, esses funcionários têm acesso aos feeds de notícias disponibilizados pela empresa, onde podem consumir conteúdo relevante para suas funções e riscos potenciais específicos de suas funções e, por outro lado, os gerentes e representantes de segurança podem enviar atualizações instantâneas, notificações de segurança e compartilhar conteúdo automaticamente de fontes de segurança confiáveis, como relatórios do Governo.

 

8. Meça o impacto de suas campanhas de comunicação de segurança

A maioria das organizações não mede o impacto de suas campanhas de comunicação de segurança no engajamento e na segurança dos funcionários.

E essa é uma grande falha por parte delas!

Como a empresa ou o profissional de segurança do trabalho pode fazer isso? Aqui estão algumas maneiras práticas de fazer isso:

  1. Pesquisas de Engajamento e Satisfação dos Funcionários: Realize pesquisas regulares de engajamento e satisfação dos funcionários que incluam perguntas específicas sobre a percepção deles em relação à comunicação de segurança. Pergunte, por exemplo, se eles se sentem bem informados sobre as políticas de segurança, se acreditam que a empresa valoriza sua segurança e se têm canais adequados para relatar preocupações.

  2. Acompanhamento de Incidentes e Acidentes: Analise os dados de incidentes e acidentes para identificar se houve mudanças após o lançamento de campanhas de segurança. Se o número de incidentes diminuir ou se tornar menos grave, isso pode ser um indicativo de que as mensagens de segurança estão tendo impacto.

  3. Taxa de Relato de Incidentes: Acompanhe a taxa de relato de incidentes pelos funcionários. Se houver um aumento nas notificações de incidentes ou preocupações de segurança após uma campanha de comunicação, isso pode indicar que os funcionários estão mais conscientes e dispostos a relatar problemas.

  4. Avaliação de Conhecimento e Compreensão: Realize testes de conhecimento antes e depois das campanhas para avaliar o quanto os funcionários aprenderam e retiveram das mensagens de segurança.

  5. Indicadores Comportamentais: Monitore os indicadores comportamentais relacionados à segurança, como o uso adequado de equipamentos de proteção individual (EPIs) e a adesão a procedimentos seguros. Se esses indicadores melhorarem, pode ser um sinal de que a comunicação de segurança está influenciando o comportamento dos funcionários.

  6. Análise de Métricas de Comunicação: Use métricas de comunicação, como taxa de abertura de e-mails, taxas de participação em treinamentos de segurança e engajamento em plataformas de comunicação interna, para avaliar o envolvimento dos funcionários com as mensagens de segurança.

  7. Entrevistas e Grupos Focais: Realize entrevistas individuais ou grupos focais com funcionários para obter insights qualitativos sobre como eles percebem a comunicação de segurança e como ela afeta seu comportamento e atitudes.

 

Lembre-se:

“A segurança é uma missão que abraçamos em equipe.”

 

E ficamos por aqui…

Esperamos que tenha gostado deste curso online profissionalizante de Segurança do Trabalho.

Agora você pode solicitar todos os certificados de conclusão deste curso.

Desejamos a você todo o sucesso do mundo. Até o próximo curso!

De R$159,90

por R$47,00 

⏱️ Valor promocional

Este curso inclui:

📖 Material didático ilustrado

🎓 Certificado do curso (PDF)

🎓 Certificados dos módulos (PDF)

💻 Acessos mobile e desktop

♾️ Acesso total vitalício

.

Onde usar os certificados:

💼 Processos Seletivos (Vagas de emprego)

🏆 Prova de Títulos (Empresa)

👩‍🏫 Atividades Extras (Faculdade)

📝 Pontuação (Concursos Públicos)

Dúvidas? Fale conosco no WhatsApp