Seis cenas “peculiares” que aconteceram em universidades públicas brasileiras
2021986
Universitária finge sequestro para não apresentar TCC
14 de junho de 2017
Coordenador Pedagogico
COORDENADOR PEDAGÓGICO (40 horas)
20 de junho de 2017
RTEmagicC_Dende.jpg-ID000002-1200x800@GP-Web
Nos últimos dias, as redes sociais repercutiram a apresentação de uma performance de teor erótico em um seminário na Universidade Estadual de Maringá (UEM). O caso foi apenas o último (e, justiça seja feita, um dos menos bizarros) de uma lista que só tem crescido nos últimos anos.
Veja exemplos de episódios em que universidades públicas brasileiras, digamos, não corresponderam às expectativas de excelência acadêmica e aperfeiçoamento pessoal.


1) Pegação na UEM

Duas alunas apresentaram atos de teor erótico em frente à plateia do V Simpósio Internacional em Educação Sexual, na Universidade Estadual de Maringá, em abril.

As fotos do evento foram divulgadas na página da instituição e motivaram muitas críticas nas redes sociais. Em nota, a universidade afirmou que a cena foi tirada de contexto.



2) Brutalidade obscena

Um evento de nome impublicável (e que se refere à genitália feminina, acompanhado do adjetivo “Satânik”)  chocou pela brutalidade na Universidade Federal Fluminense (UFF): durante uma das performances, apresentada ao ar livre, uma jovem teve a vagina costurada.

O ato, realizado em maio de 2014, fez parte do II Seminário de Investigação e Criação do Grupo de Pesquisas UFF/CNPq.



3) Besuntado em dendê

Aconteceu em junho de 2015: durante o II Seminário Internacional Desfazendo Gênero, na Universidade Federal da Bahia, um(a) aluno(a) apresentou a performance ‘Gordura Trans’, que consistia em um banho de azeite de dendê, nu, em um pátio da universidade. (imagem de capa desta postagem)



4) Focinheira humana

Seminua, com palavra escritas sobre o corpo e usando uma focinheira, uma estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) apresentou sua performance em meio ao campus universitário em novembro de 2014. Quisessem ou não, os alunos e funcionários tinham de ouvir os “latidos” da jovem.



5) Oficina não-ortodoxa

A  Universidade Federal do Amapá (Unifap) ofereceu uma oficina de masturbação feminina e higienização anal antes do sexo, ambas definidas com termos chulos. O “treinamento” aconteceu em novembro de 2015, com parte de um simpósio sobre gênero e diversidade.



6) Nudez no campus

Outra performance artística, desta vez na Universidade de Brasília (UnB): um grupo de alunos de artes visuais, sem roupa, se divertia em uma pequena piscina de plástico instalada em um local de circulação em um dos campos. O caso aconteceu em novembro de 2014.



Bizarro, não é mesmo!?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *